A fé e a humildade nos aproximam de Deus

LUCAS 7,1-10 – A fé e a humildade nos aproximam de Deus

1Quando terminou de falar estas palavras ao povo que o escutava, Jesus entrou em Cafarnaum.2Havia um centurião que tinha um servo a quem estimava muito. Estava doente, à beira da morte.3Tendo ouvido falar de Jesus, o centurião mandou alguns anciãos dos judeus pedir-lhe que viesse curar o seu servo. 4Quando eles chegaram a Jesus, recomendaram com insistência: “Ele merece este favor, 5porque ama o nosso povo. Ele até construiu uma sinagoga para nós”. 6Jesus foi com eles. Quando já estava perto da casa, o centurião mandou alguns amigos dizer-lhe: “Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa. 7Por isso, nem fui pessoalmente ao teu encontro. Mas dize uma palavra, e meu servo ficará curado. 8Pois eu, mesmo na posição de subalterno, tenho soldados sob as minhas ordens, e se ordeno a um: ‘Vai!’, ele vai; e a outro: ‘Vem!’, ele vem; e se digo a meu escravo: ‘Faze isto!’, ele faz”. 9Ao ouvir isso, Jesus ficou admirado. Voltou-se para a multidão que o seguia e disse: “Eu vos digo que nem mesmo em Israel encontrei uma fé tão grande”.10Aqueles que tinham sido enviados voltaram para a casa do centurião e encontraram o servo em perfeita saúde.

MEDITAÇÃO

A fé e a humildade nos aproximam de Deus

Que o oficial romano, um homem de fé e humildade, ensine-nos que, independente da condição financeira que temos, não somos melhores que ninguém. “Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa” (Lucas 7, 6).

O oficial do império tinha um empregado que estava doente e, praticamente, à beira da morte. No entanto, o oficial não fazia parte do povo eleito nem era judeu, mas tinha fé, sabia o que Jesus podia fazer.

O oficial não vai atrás de outros, ele mesmo vai atrás de Jesus, para Lhe pedir que faça algo em favor do seu empregado. Porque sabe o poder e da autoridade que tem, ele manda o empregado fazer isso e ele faz, mas não tem poder sobre a doença, sobre a vida nem a morte. Ele sabe que quem tem esse poder e autoridade é Jesus!

Há duas coisas que chamam a atenção de Jesus e devem chamar a atenção de cada um de nós na fé desse homem. Primeiro, porque é uma fé de muita confiança, é a fé de alguém que sabe que só Deus pode vir em socorro daquela situação. Nem o dinheiro, o poder nem o prestígio que ele tem podem fazer algo pelo seu empregado.

Jesus não vai ser comovido ou movido em consequência do poder, do prestígio nem do dinheiro que o oficial tem, mas pela sua fé. Que fé é essa? Uma fé muito sincera, muito convicta, de quem acredita que Jesus é capaz e pode fazer tudo.

Meus irmãos e irmãs não bastam saber aquilo que Deus pode fazer por nós, é preciso ter convicção, não tirar d’Ele o nosso olhar e a nossa confiança.

O segundo aspecto desse homem é uma fé humilde, sincera, piedosa e contrita. Não é uma fé soberba e orgulhosa: “Deus tem de fazer para mim! Ele precisa fazer o que eu quero!”. Pelo contrário, ele, humildemente, vai dizer: “Senhor, eu não sou digno! Nem mereço que o Senhor faça isso pelo meu empregado! Não sou digno de que o Senhor entre em minha casa, por isso não se incomode!”.

Amados irmãos e irmãs, deixamos de alcançar muitas coisas no coração de Deus, porque até na nossa manifestação de fé somos soberbos e orgulhosos, achamos que Ele tem de nos fazer favores, achamos que somos merecedores e que Ele tem a obrigação de fazer isso e aquilo por nós.

A soberba tem dentro dela um veneno mais terrível ainda, porque, além de ser veneno para nos acharmos melhores e merecedores, o orgulho ainda esconde nossos limites e fraquezas.

Não se trata de uma falsa modéstia, porque esse oficial está realmente reconhecendo seus pecados e fraquezas, por isso se humilha na presença de Deus.

Aproxime-se de Deus sempre com o coração humilde e humilhado! A soberba não alcança nada de Deus, pelo contrário, como diz Maria no Magnificat: “Ele derruba os soberbos e os orgulhosos dos tronos que cada um faz em seu coração”. Deus exalta, escuta, atende a prece humilde, confiante feita de uma forma contrita e com a convicção de que Ele tudo pode.

Que este oficial romano, mesmo não sendo membro do povo eleito, do povo chamado ‘escolhido’, mas um homem de muita fé e humildade ensine-nos que, independente do cargo ou da condição financeira que temos que não somos melhores nem mais importantes do que ninguém.

É a fé e a humildade que nos aproximam do coração de Deus!

Deus abençoe você!